Última notícias no meio jurídico
11/01
Meios eletrônicos são aposta do CNJ para Judiciário mais eficiente Saiba mais >
11/01
17ª Turma: correção monetária e juros independem de pedido do autor Saiba mais >
11/01
Estado é responsabilizado por abuso em revista íntima no presídio Saiba mais >
11/01
Valores de imposto de renda retidos indevidamente na fonte podem ser c Saiba mais >
09/05
Promitente comprador não é obrigado a pagar cotas condominiais antes d Saiba mais >
09/05
Concessão de auxílio-acidente independe do grau de incapacidade para o Saiba mais >
09/05
Indenização por dano moral não pode ser irrisória nem exorbitante Saiba mais >
26/12
FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO Saiba mais >
26/12
Cabe à Justiça Federal julgar questões fundadas em tratado internacion Saiba mais >
26/12
Juizados dos aeroportos funcionarão durante o recesso forense Saiba mais >


Dúvidas sobre <br>trabalhista, civil, tributário...

Enquete jurídica

Você gostou do novo site do Sato Ferreira e Junior?

 Sim  

 Não  

  

 Confira os Resultados

Prezia, Sato e Ferreira Junior - O Escritório
Meios eletrônicos são aposta do CNJ para Judiciário mais eficiente

A resposta do Poder Judiciário para prestar um serviço célere e eficaz a uma sociedade cada vez mais ciente de seus direitos passa necessariamente pelos avanços do mundo digital. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) investe há anos na modernização do aparato tecnológico, na digitalização processual e em novos sistemas para facilitar a tomada de decisões, mas, em 2015, o tema ganhou especial atenção com sua inclusão entre as diretrizes de gestão do presidente Ricardo Lewandowski (Portaria 16/2015, item III). 

Um dos principais pontos da política é o contínuo investimento na ampliação e no suporte ao sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe). Além de investir em acessibilidade e no desenvolvimento de novos módulos, como o de Justiça Criminal, a atual gestão do CNJ lançou a versão 2.0, que foca a usabilidade para atrair cada vez mais usuários. Atualmente, o sistema registrou mais de 6,1 milhões de processos em tramitação e funciona em mais de 8 mil órgãos julgadores. 

O CNJ também realizou treinamentos e lançou a Maratona PJe, que convida os profissionais de tecnologia da informação dos tribunais a desenvolver melhorias para a ferramenta. Os resultados da iniciativa serão conhecidos em fevereiro. Além disso, o contato do CNJ com os dirigentes e profissionais de tecnologia da informação das cortes de todo o país é constante e, somente entre 2010 e 2015, o órgão investiu cerca de R$ 500 milhões para o aperfeiçoamento da infraestrutura de tecnologia dos tribunais. 

Para facilitar a comunicação do Judiciário com o público externo e entre tribunais que ainda não migraram para o PJe, o CNJ participa ativamente do desenvolvimento e da ampliação do Modelo Nacional de Interoperabilidade (MNI). O Conselho também deu continuidade à implantação do Escritório Digital, lançado em dezembro de 2014 em parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para permitir a atuação em diferentes tribunais por meio de uma só plataforma. 

Sistemas - Para proporcionar mais agilidade, segurança e eficiência na rotina de trabalho dos magistrados brasileiros, o CNJ disponibilizou no final de outubro o Sistema Nacional de Videoconferência. A ferramenta de comunicação remota de áudio e imagem é gratuita, acessada por conexão via internet e tem alcance nacional. Outro instrumento para auxiliar o trabalho dos magistrados é o Sistema Audiências de Custódia, que foi desenvolvido pelo CNJ para facilitar o registro das audiências e a sistematização de dados. 

Além de gerir constantes melhorias em seus diversos sistemas de informações do Judiciário, o CNJ lançou, em 2015, o SerasaJud. O sistema otimiza o trabalho dos magistrados em relação às principais demandas remetidas à Serasa Experian, como ordens judiciais para retirada do nome dos cidadãos do cadastro de inadimplentes em razão de registros indevidos, que movimentam 28 mil ofícios em papel por mês. 

Em maio de 2015, o CNJ modernizou o trâmite de seus documentos administrativos com a adesão ao Sistema Eletrônico de Informações (SEI). Para atender à necessidade do próprio CNJ, a inovação veio com o Plenário Virtual, lançado em novembro com a aprovação unânime dos conselheiros. O Plenário Virtual foi criado para acelerar o julgamento de casos de menor complexidade em tramitação no Conselho. 

Deborah Zampier 
Agência CNJ de Notícias




11/01

Meios eletrônicos são aposta do CNJ para Judiciário mais eficiente

Saiba mais >

11/01

17ª Turma: correção monetária e juros independem de pedido do autor

Saiba mais >

11/01

Estado é responsabilizado por abuso em revista íntima no presídio

Saiba mais >

11/01

Valores de imposto de renda retidos indevidamente na fonte podem ser c

Saiba mais >

09/05

Promitente comprador não é obrigado a pagar cotas condominiais antes d

Saiba mais >

09/05

Concessão de auxílio-acidente independe do grau de incapacidade para o

Saiba mais >

09/05

Indenização por dano moral não pode ser irrisória nem exorbitante

Saiba mais >

26/12

FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO

Saiba mais >

26/12

Cabe à Justiça Federal julgar questões fundadas em tratado internacion

Saiba mais >

26/12

Juizados dos aeroportos funcionarão durante o recesso forense

Saiba mais >




Mantenha-se informado sobre
tudo o que acontece no meio
jurídico.


Dúvidas sobre questões jurídicas? Esclareça com o nosso escritório.


Caso quiser fazer uma consulta mais detalhada, clique aqui.