Última notícias no meio jurídico
11/01
Meios eletrônicos são aposta do CNJ para Judiciário mais eficiente Saiba mais >
11/01
17ª Turma: correção monetária e juros independem de pedido do autor Saiba mais >
11/01
Estado é responsabilizado por abuso em revista íntima no presídio Saiba mais >
11/01
Valores de imposto de renda retidos indevidamente na fonte podem ser c Saiba mais >
09/05
Promitente comprador não é obrigado a pagar cotas condominiais antes d Saiba mais >
09/05
Concessão de auxílio-acidente independe do grau de incapacidade para o Saiba mais >
09/05
Indenização por dano moral não pode ser irrisória nem exorbitante Saiba mais >
26/12
FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO Saiba mais >
26/12
Cabe à Justiça Federal julgar questões fundadas em tratado internacion Saiba mais >
26/12
Juizados dos aeroportos funcionarão durante o recesso forense Saiba mais >


Dúvidas sobre <br>trabalhista, civil, tributário...

Enquete jurídica

Você gostou do novo site do Sato Ferreira e Junior?

 Sim  

 Não  

  

 Confira os Resultados

Prezia, Sato e Ferreira Junior - O Escritório
Concessão de auxílio-acidente independe do grau de incapacidade para o

Reunida nesta quarta-feira, dia 7 de maio, a Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais (TNU) decidiu alinhar sua jurisprudência com a que foi firmada em recurso repetitivo pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), no sentido de que, uma vez presentes os pressupostos para concessão do auxílio-acidente, o benefício deve ser concedido, sendo irrelevante o quanto a capacidade para o trabalho do segurado foi reduzida.

A decisão foi dada no julgamento do pedido de um trabalhador inconformado com a decisão da 4ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais do Rio Grande do Sul, que confirmou a sentença. Com base no laudo pericial, o juízo de 1º grau rejeitou seu pedido de concessão de auxílio-acidente, com base no entendimento de que "a redução da capacidade funcional da mão do autor é de grau mínimo, não encontrando enquadramento no anexo III do Decreto 3048/99".

Em seu recurso à TNU, o segurado sustenta que, ao confirmar a sentença, o acórdão recorrido contraria julgado do STJ no REsp 1109591/SC que consolidou o entendimento de que havendo lesão que implique redução da capacidade para o trabalho, o benefício previsto no artigo 86 da Lei 8.213/91 deve ser concedido, ainda que seja mínima a redução detectada.

O relator do processo na TNU, juiz federal João Batista Lazzari, deu razão ao beneficiário. "Enquanto o relator da origem afastou a possibilidade de concessão do auxílio-acidente à parte autora com base na conclusão da perícia médica, no sentido de que a redução da capacidade funcional constatada é de grau mínimo, a Corte Superior assentou que, uma vez configurados os pressupostos de concessão do benefício, é de rigor o reconhecimento do direito do segurado ao auxílio-acidente, sendo descabida a investigação quanto ao grau do prejuízo laboral", escreveu em seu voto o magistrado.

Com o acórdão, o processo retorna à Turma Recursal de origem para adequação do julgado ao entendimento uniformizado.

Pedilef 5001783-86.2012.404.7108




11/01

Meios eletrônicos são aposta do CNJ para Judiciário mais eficiente

Saiba mais >

11/01

17ª Turma: correção monetária e juros independem de pedido do autor

Saiba mais >

11/01

Estado é responsabilizado por abuso em revista íntima no presídio

Saiba mais >

11/01

Valores de imposto de renda retidos indevidamente na fonte podem ser c

Saiba mais >

09/05

Promitente comprador não é obrigado a pagar cotas condominiais antes d

Saiba mais >

09/05

Concessão de auxílio-acidente independe do grau de incapacidade para o

Saiba mais >

09/05

Indenização por dano moral não pode ser irrisória nem exorbitante

Saiba mais >

26/12

FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO

Saiba mais >

26/12

Cabe à Justiça Federal julgar questões fundadas em tratado internacion

Saiba mais >

26/12

Juizados dos aeroportos funcionarão durante o recesso forense

Saiba mais >




Mantenha-se informado sobre
tudo o que acontece no meio
jurídico.


Dúvidas sobre questões jurídicas? Esclareça com o nosso escritório.


Caso quiser fazer uma consulta mais detalhada, clique aqui.